Buenos Aires – Argentina

Como sempre minha Mamis me ajudando com os posts do blog. Desta vez ela escreveu sobre uma deliciosa viagem que fez com meu Papis e minha irmã para Buenos Aires (Argentina)! 

By Cecilia Z.: “A cidade de Buenos Aires foi fundada pela primeira vez com o nome de Nuestra Señora del Buen Ayre. A cidade foi abandonada, arrasada pelos índios e refundada com o nome de Ciudad de la Santísima Trinidad y Puerto de Nuestra Señora del Buen Ayre. “Buen Aire” é a castelanização do nome da  Virgem de Bonária, no Brasil conhecida como Virgem da Candelária, que os navegantes veneravam.

Hoje é chamada simplesmente Buenos Aires.

A cidade se encontra às margens do Rio da Prata e também é banhada pelo Riachuelo, o que lhe dá paisagens lindíssimas.

A zona norte da cidade é rica e próspera, com vários hospitais, serviços e grande densidade populacional. Mas o norte contrasta com a desprovida zona sul, próxima do poluído Riachuelo (um dos rios mais contaminados do mundo), formada por bairros mais humildes. Nesta zona sul, se fortalece a maioria das favelas, nas que o uso do solo é indiscriminado e se interrompe a trama urbana.

Cada bairro tem sua própria história e características populacionais que lhe imprimem cor, estilo e costumes únicos e são um reflexo da variedade cultural que atua na cidade.

Chegamos pelo Aeroporto Ministro Pistarini, que fica na cidade de Ezeiza, na  grande Buenos Aires, sendo assim, ele mais é conhecido como AEROPORTO DE EZEIZA. O free shop da entrada é um pouco pequeno, mas o free shop da saída é muito bom. Um dos maiores do mundo. Vale a pena comprar lá!

Buenos Aires tem 4/5 milhões de habitantes e 48 bairros para se visitar. Sendo  uma cidade muita arborizada  é um convite para passear a pé. Se precisar de transporte, existe um sistema de transporte com várias opções: metrô, ônibus e trens. Os táxis são um meio de transporte muito comum, por serem seguros e mais baratos que outras cidades. A única cautela que se deve ter é com os motoristas de táxi, que costumam dar no troco, notas falsas de peso, principalmente a de 20 pesos.

É uma cidade baixa, isto é, no centro os prédios são antigos e bonitos, mais parecendo uma cidade européia. Muitos parques e praças. Em todos os lados ouve-se o tango, e os alfajores e dulce de leche estão em cada esquina para podermos saborear, pois tem bons cafés em cada quarteirão, onde se senta e se envolve pela paisagem e limpeza da cidade e a cortesia do povo argentino.

A moeda oficial é o “Peso”. Há moedas de 1 peso, e 1, 5, 10, 25, 50 cantavos e notas de 2, 5, 10, 20, 50 e 100 pesos.

A língua oficial é o castelhano e os brasileiros costumam se virar com o “portunhol”.

Em Buenos Aires os restaurantes são ótimos. Os pescados são deliciosos e as carnes maravilhosas. Quanto às carnes, não deixe de experimentar o bife de chorizo, que nada mais é que um contra-filet cortado bem alto e grelhado. Imperdível, principalmente se acompanhado de um belo vinho nacional.

GORJETAS: As gorjetas são como no Brasil, à base de 10%, mas não vem na conta, devendo ser paga à parte e em dinheiro.

TANGO: por toda a Buenos Aires, ouve-se o tango, que se pode conhecer na tangueria ou na em qualquer esquina de um bairro. Vê-se casais dançando em cada canto, mas cuidado, pois eles se oferecem para se fotografar junto a você, e depois cobra por ter posado.

Um espetáculo de tango que recomendo é o SENOR TANGO. Um antigo armazém de secos e molhados construído no bairro de BARRACAS, tradicional bairro de trabalhadores e fábricas, e se tornou a casa de tango mais tradicional de Buenos Aires. O palco giratório central tem 9 mde diâmetro, e após saboroso jantar (servido para 1.500 pessoas) pode-se apreciar os bailarinos a dançar o tango.

Passeios:

No centro temos a CASA ROSADA, que é o Palácio do Governo , com uma grande praça na frente, e na outra extremidade da praça temos o Legislativo. Na Casa Rosada, onde Evita acenava para seus súditos, existe um museu aonde há  mostra dos objetos pessoais dos presidentes.

Também oposto à Casa Rosada temos a Catedral, aonde está enterrado San Martin, e as 12 colunas da frente representam os 12 apóstolos.

Na Praça de Mayo o povo argentino aproveita para fazer seus protestos.

No centro, para boas compras, temos a Calle Florida (um calçadão cheio de lojas e muambeiros), e na esquina com Av. Cordoba, situam-se as Galerias Pacifico, sendo considerado um dos mais belos edifícios de Buenos Aires, e um bom mall para compras, pois lá se encontram as marcas mais requintadas da cidade.  No subsolo há uma grande  praça de alimentação, com várias redes de fast-food internacionais e locais. Mas vc irá constatar que fazer uma refeição em shopping, em Buenos Aires, é insosso e caro, ainda mais com tantos restaurantes charmosos pela cidade. Mas a visita deve ser feita para ver o melhor estilo parisiense de compras.

Vale a pena conferir a Galeria Pacífico. Muito bonita!

Dos bairros principais podemos citar:

BELGRAMO: O nome é em homenagem a um militar que criou a bandeira Argentina. Inicialmente foi um assentamento que ficava ao norte de Buenos Aires, depois se tornou um bairro com lindos casarões e hoje está repleto de edifícios e um grande corredor comercial, que é a Av. Cabildo.

RECOLETA:

Os freis recoletos no início do século XVII construíram seu convento e igreja nesta área aonde só havia terrenos baldios e chácaras. Como era longe do centro eles acharam que seria o ideal para os retiros espirituais. Conforme a cidade foi crescendo, vieram arquitetos europeus e construíram lindos casarões e luxuosos palacetes no estilo Frances. Construiram também lindos parques, que fazem de Recoleta o bairro mais chic de Buenos Aires. Seu comércio é sofisticado, com finas boutiques.

Recoleta tem, além do famoso cemitério, galerias de arte. Nos finais de semana tem uma grande feira de artesanato na praça em frente à igreja.

A Basilia Del Pilar foi construída pelos monges recoletos e é uma das mais antigas em estilo barroco, em Buenos Aires. Nesta igreja, Giulia e eu pudemos presenciar um lindo casamento, sendo que as músicas foram tocadas por um conjunto de gaitas de fole. Muito original!

Lá pudemos saborear a gostosa e característica empanada, o bife de chorizo e a gaseosa Paso de lós Toros de Pomelo no restaurante El Sanjuanino, que faz as mais gostosas empanadas de Buenos Aires.

PALERMO:

Era uma fazenda que foi dividida e hoje é o maior bairro de Buenos Aires. Quando a área começou a se desenvolver, o arquiteto e paisagista francês Charles Thays projetou os jardins nos moldes do Bois de Boulogne em Paris e o Hyde Park em Londres.

Em Palermo existem muitos parques, zoológico, o jardim japonês, clubes, etc.

Em Palermo também podemos apreciar a FLORALIS GENERICA que é uma escultura de alumínio formando uma flor gigante que conforme a hora do dia  vai se abrindo. Abre-se às 7:30h e fecha às 20:30h (exceto feriados dias 25/5, 21/9, 24 e 31/12 fica aberta direto). Doada por seu autor Eduardo Catalano, pesa 18 toneladas. É a 1ª escultura em movimento controlada por um sistema hidráulico e células fotoelétricas.

LA BOCA

Este bairro chama Boca por estar na “boca” do Richuelo. Bairro do sul banhado pelo mal cheiroso rio Riachuelo. Mesmo assim é um dos cartões postais de Buenos Aires. Quando em meados do sec. XIX o movimento dos navios aumentou, um bairro marítimo começou a surgir em volta do porto. Os marinheiros construíram as casas de madeira e chapa, sobre palafitas, para enfrentar as enchentes do rio Riachuelo. Usavam as tábuas dos barcos e restos de tintas para colorir as paredes.

Os ricos ali construíram grandes casas, mas com a gripe amarela  os ricos foram para o norte, e estas casas passaram a ser habitadas por várias famílias, formando grandes cortiços. Depois chegaram os artistas, músicos, pintores e boêmios que gostaram do lugar e lá ficaram.

É neste bairro que fica o estádio de futebol Boca Juniors. No estádio é o único lugar do mundo aonde a propaganda da Coca-Cola não é em vermelho, mas em preto e branco, porque vermelho é a cor do rival River Plate.

CAMINITO:

Inaugurado em 1959, é um museu ao ar livre. É uma rua das casas coloridas do bairro La Boca.

SAN TELMO:

É um dos bairros mais antigos e tradicionais de Buenos Aires, com muitos bares, cafés, casas de tango, restaurantes e antiquários curiosos. Aos domingos existe uma feirinha de antiguidade e artesanato na Praça Dorrego e é conhecida como Feira de SanTelmo, aonde se encontram antiguidades, bugigangas e raridades. A feira vai seguindo pela rua até chegar à Plaza de Mayo (tem este nome pois em 25 de Maio houve a revolução que findou com a independência da Argentina).

Mesmo que nada queira comprar, vale a pena o passeio. Em cada barraca os donos se fantasiam para serem fotografados.

Em cada esquina pode-se observar um casal dando um show de tango.

PUERTO MADERO:

O Antigo cais do rio da Plata estava abandonado e até que foi revitalizado pelo arquiteto Eduardo Madero, que projetou um espaço muito charmoso, copiando o porto de Londres. De lá se tem uma vista a prédios super modernos e veleiros ancorados. A arquitetura é arrojada e moderna. É uma zona cara com bons restaurantes.

  

À noite, os 47 restaurantes lá existentes ficam repletos. Fomos no La Parolaccia Del Mare e saboreamos uma bela paella valenziana enquanto Giulia comia sua massa.”

Anúncios

Uma opinião sobre “Buenos Aires – Argentina

  1. QUE DELICIA QUE É VIAJAR PASSEANDO ..AI ESSTÁ UM LINDO PASSEIO BJUS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s