Itália

Recebi dicas da Itália de uma das minhas melhores amigas (Oi Ju!) e de uma amiga e blogueira (Oi Fe! – Para visitar seu blog, clique AQUI.). Estou compartilhando com vocês pois tem bastante dicas de quais cidades visitar na Itália e o que conhecer em cada uma dela!

By Juliana O.: “Particularmente, dos lugares que fui, acho que Nápoles vale muito a pena. Tem o mar de um lado e o monte Vesúvio do outro. Vale a pena ir a Pizzaria Michelle, ela aparece no filme Comer, Rezar e Amar, achei a pizza uma das melhores que já comi e mais tradicional. Nápoles é a cidade aonde inventaram a pizza. Lá tem um museu que é o Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, um dos mais antigos da Europa.
 
Positano é charmosa. Na costa amalfitana fiquei hospedada lá e dá pra conhecer as outras cidades de carro. Restaurante que fui lá e gostei: Chez Black.
A vista do jardim em Ravello é a mais linda. vale a pena conhecer Ravello num dia claro.

Ravello_Juliana

 
No caminho de lá para Roma, parei em Pompéia, que é a cidade que foi soterrada pelas lavas do vulcão Vesúvio. Para conhecer a história é interessante. Tem muita coisa sobre isso no museu de Nápoles.
 
Em Roma, é melhor comprar o ingresso para o Museu do Vaticano pela internet com antecedência. Assim, evita fila. Já está incluso a visita à Capela Sistina na compra desse ingresso. Para comprar o ingresso, clique AQUI. Para a Basílica de São Pedro não tem como comprar antecipadamente. Minha dica é ir bem cedo ou na hora do almoço à basílica. Eu fui na hora do almoço, meio dia, e como a maioria estava almoçando, não peguei mais que 30 minutos de fila (é um tempo bom, considerando que as pessoas ficam horas na fila). Roma não vale a pena ficar com o carro. Dá pra fazer tudo de metrô.

Pompeia_Juliana

 
A região da Toscana é linda, dependendo de quantos dias vai ficar (vale a pena ficar o máximo de dias nessa região para conhecer as cidades ao redor). Visitei Pisa (somente para ver a torre, dá pra comprar o ingresso pela Internet se for entre 45 – 15 dias de antecedência se não me engano. vale a pena comprar antes, pois tem hora marcada pra subir na torre). Para comprar o ingresso, clique AQUI. Eu não fui, mas se tiver tempo, visite Lucca, fica bem perto de Pisa, 13km, e é a cidade que conta a história do Pinóquio. dá pra visitar Pisa e Lucca no mesmo dia.
Siena todos recomendam muito, a igreja Duomo de lá é linda, uma das mais lindas que vi, mas tem cidades que gostei mais!
Um restaurante que vale a pena lá: Osteria Le Logge – Via del Porrione, 33 tel 0577 48013.
 

San Gimignano_Juliana

 

San Gimignano vale muito a pena, uma cidade medieval muito charmosa e tem o melhor gelatto do mundo na praça central.
Em Florença, tem que ir na Galleria degli Uffizi, é um museu maravilhoso, que vale muito a pena. Dá pra comprar com antecedência pela internet. Para a Academia Gallery também. Para comprar o ingresso clique AQUI. 

 
Se for para Milão, tenho dica de dois restaurantes, Bice e Solferino, muito bons mesmo. É uma cidade bem mais urbana e depois de ter passado por essas cidades anteriores, vai ver que paisagem e astral são outros.
 
Na dúvida, quando for almoçar ou jantar, melhor escolher as tratorias e osterias que são melhores que os ristorantes em qualidade e preço.”

By Fernanda I.: “Veneza: Hotel – fiquei no Stella Alpina @ EUR  133,24 a noite. Para visitar o site, clique AQUI. O bom é que fica do lado da estação de trem e facilita muito para quem está de malas relativamente grandes. É velho, bem simples, faz barulhos de encanamento durante a noite e não tem elevador (3 lances de escada), mas a cama é confortável, quarto é espaçoso e suficientemente limpo.

Pontos/ passeios turísticos – Basílica de São Marcos (dá para reservar o horário de entrada (clique AQUI), mas eu não entrei porque não sabia desse esquema e estava uma fila homérica), Palazzo Ducale (tour não vale a pena: comprido, chato, inglês macarrônico) e Ponte dos Suspiros (só dá para ver por fora e estava em reforma quando fui – só vi um enorme anúncio da L’oreal…), Campanário (tem fôlego para subir trocentos milhões degraus??), Praça São Marcos (onde fica a Basílica, o Palazzo e o Campanário), Ponte Rialto (só tem lojas de souvernir), Mercado de Frutas e Peixes (acho que tem todos os dias, tem que ir de manhã, antes das 10h, eu recomendaria), Museu Peggy Guggenheim, Galleria dell’Accademia, Ca’ D’oro (não fui em nenhum museu), andar de gôndola (não andei – é muito caro e tem que pagar a parte para o cara cantar. E é meio mico, porque as pessoas ficam tirando foto de vc. Hahahaha), Teatro La Fenice (casa de ópera de Veneza – fui porque AMO visitar casas de ópera, mas, se não gostar, não vale a pena, nem é das mais bonitas).

Restaurantes – Há um que eu recomendo fortemente, o Riviera (para visitar o site, clique AQUI). Fica numa região mais tranquila de Veneza, meio que num calçadão, com as mesinhas para fora. A comida é absurdamente boa, a iluminação é toda com velas… super romântico. Não saiu barato (EUR 50 por pessoa), mas vale a pena para um jantar especial.

Praticamente na frente do mercado de frutas também tem um lugar (bem pequenininho) que também recomendo fortemente, o Al Mercá. Servem mini sanduíches de frios italianos com vinhos em taça. Ótimo e barato (EUR 2 cada mini sanduíche). Do lado, tem uma loja de queijos italianos… bom para comprar umas coisinhas para fazer piquenique depois.

Coma o sarde in saor (sardinha agridoce, que eles colocam em pão, tipo tapa), coisas com nero di seppia (tinta de lula, deixa tudo super preto e com um sabor diferente), tiramisù (que nasceu lá) e muitos frutos do mar.

Dicas de itinerário/ timing – 2 dias são mais do que suficiente para conhecer Veneza bem. No primeiro dia, você já vai logo cedo à Piazza San Marco, conhece os pontos turísticos de lá, anda pela região de San Marco, vai até a Ponte di Rialto e pela região de Dorsoduro. Assiste o pôr do sol da Punta della Dogana e janta no Riviera. No segundo dia, você vai ao Mercado de Frutas, anda mais um pouco por San Polo e Santa Croce e resolve se, à tarde, quer andar mais pela cidade ou se quer pegar um vaporetto e ir até Burano, que dizem que é fofa (casas coloridinhas), volta no final da tarde, para ver o sol se pondo sobre a ilha… LINDO!

 

Veneza_Fernanda

 

Florença/Toscana: Hotel – fiquei no B&B Bel Duomo @ EUR 79 a noite. Para visitar o site, clique AQUI. Prós: donos super fofos (ele é toscano, ela é inglesa, têm várias dicas boas de restaurantes na região), localização soberba (a passos do Duomo), quarto espaçoso (mas eu fiquei no maior que tinha, porque fiquei 6 noites). Cons: donos só ficam lá na recepção pela manhã, te dão a chave das portas e “tchau e bença”, não tem elevador (2º andar), cama meio em formato de U, banheiro super apertado e sem boxe (fica todo molhado depois do banho), sinos do Duomo te acordam pela manhã (pode haver um certo charme nisso) e o café da manhã é pago a parte e num café fora do hotel (eles têm um convênio com este café, e o legal é que você pode toma-lo vendo o Duomo. Além disso, eles têm um donuts superbom).

Em março, deve estar tranquilo, mas se for em uma época mais quente, faça questão do ar condicionado. Florença fica num vale, tem pouco vento e é muito quente.

Pontos/ passeios turísticos – Duomo, Campanário, Batistério e sua porta feita por Ghiberti (fica tudo junto), Piazza della Repubblica (quando fomos, no domingo, teve uma feirinha com produtores da região, vendendo seus produtos diretamente. Fantástico!), Piazza della Signoria (várias esculturas e aonde ficava o Davi), Galleria degli Uffizi (para ver O Nascimento de Vênus e Primavera, entre outros – reserve antecipadamente suas entradas pelo site oficial), Galleria dell’Accademia (para ver Davi – vale muito a pena – reserve antecipadamente suas entradas pelo site oficial), Ponte Vecchio (só tem joalherias), Piazzale Michelangelo (melhor pôr do sol EVER), Mercato Centrale (ótimo lugar para comprar coisas para um piquenique e comprar alguns azeites para trazer de volta para casa).

Restaurantes – O que mais gostamos dos que fomos foi o Trattoria San Lorenzo (para visitar o site, clique AQUI), há passos do B&B. Apesar de ficar numa região turística, a comida é muito boa, o atendimento é muito bom e o preço é super decente (aprox. EUR 40 jantar para dois, sem bebidas alcoólicas que estava quente demais para tomar vinho). Tudo que comemos estava muito bom, mas o tiramisù não fará diferença na sua vida.

O prato mais típico da região é a bistecca alla fiorentina, mas, se eu bem te conheço, melhor não arriscar – a carne vem mugindo de tão mal passada.

Lá em Firenze, eu descobri que AMO trufa. Se ainda não tiver experimentado, faça questão de comer algum prato com coisas trufadas.

Tome os gelati do Vestri (só sabores de chocolate), do Grom e do RivaReno (ambas são cadeias e também têm lojas em Roma, Milão etc., mas o preço aqui é menor e a cidade é perfeita para sair pelas ruas com um cono na mão).

Compras – o Mercato del Porcellino tem souvernirs e muitas opções de artigos em couro. Há lindas bolsas estilo carteiro, meio rústicas, feitas na Toscana mesmo. A região é bastante conhecida por essas coisas de couro bovino e pela carne. O preço médio de uma bolsa média é EUR 100. Não é barato, mas está até escrito “fatto in Firenze”!

Dicas de itinerário/ timing – Se você pular os museus, dá para conhecer a cidade inteira em 1 dia. Sério. É partir do Duomo e seguir pela via dei Calzaioli até a Piazza della Signoria. No meio do caminho, está o Mercato del Porcellino e a Piazza della Repubblica. Da Piazza della Signoria, você passa embaixo da Galleria degli Uffizi e passa pela Ponte Vecchio, continua andando até chegar na Piazzale Michelangelo. Pronto, conheceu Firenze!!

Mas é recomendável ficar mais 1 dia, para andar com mais calma pelas ruas.

No terceiro dia, alugue um carro e vá para Siena passando pelas cidadelas Castellina in Chianti, Fonterutoli etc.. Em Siena, veja a Piazza del Campo e passeie pelas ruas, que têm bandeiras dos bairros da cidade. É fofa.

Ou vá para Lucca, de trem mesmo e alugue uma bike para andar na Passeggiata delle Mura (o muro da cidade velha, que, de tão largo, virou um parque). A cidade é muito bonita, super charmosa.

 

Pizzaria Della Signoria_Toscana_Fernanda

 

Roma: Hotel – fiquei no B&B Casa Romana, top rated no TripAdvisor (para visitar o site, clique AQUI) @ EUR 90 a noite (uma pechincha). Pros: a dona é uma das escritoras da Time Out Roma!!! Ela deixa uma “apostila” com várias, várias dicas da cidade; quarto e banheiro superbonitinhos e limpos, com decoração de bom gosto. Cons: a localização não é das melhores (entenda: é central, fica perto da estação terminal de trem, metrô e terminal de ônibus, com as 2 linhas mais turísticas da cidade, mas, exatamente por causa disso, não é um Jardins… está mais para uma Liberdade/ São Bento. De qualquer forma, a gente foi e voltou todos os dias de ônibus e andou à noite pela vizinhança, sem problema nenhum).

Pontos/ passeios turísticos – Fontana di Trevi (AMEI, fui 3x, em horários diferentes do dia, mas faça questão de ver à noite), Trastevere (bairro bem boêmio, cheio de barzinhos e restaurantes, bem Vila Madalena, favorito meu e do Meza), Monumento a Vittorio Emanuelle (que não dá para você perder, porque é uma coisa descomunal de grande), Campidoglio (que dizem que tem uma bela visão de Roma, mas não achei nada demais), Pantheon, Ponte Fabricio (mais antiga de Roma, só para pedestres, tem seu charme), Coliseu (compre seu ingresso antecipadamente pelo site oficial), Roma Antiga – Foro Romano, Cole Palatino (mesmo ingresso do Coliseu) – para as ruínas (Coliseu e todo resto), não vá de tour guiado organizado pelos próprios lugares, porque não vale a pena (pelo menos, a nossa guia era um horror), mas recomendo fortemente que contrate um guia terceiro especializado porque faz toda a diferença entender bem o que significa cada coisa.

Vaticano (compre seu ingresso antecipadamente para o Museu do Vaticano pelo site oficial. Neste caso, vale a pena o tour guiado, porque a guia entendia bem do que falava. O tour passava pelo Museu, Capela Sistina e acabava na Basílica de São Pedro).

Hmmm… que mais… Piazza Navona (a embaixada do Brasil fica aqui, num prédio super imponente.. até parece que a gente é rico), Piazza di Spagna e Spanish Steps (a vizinhança é chic benhê, com todas as lojas mais top), Campo de’ Fiori (tem mercado/ feira durante a manhã, mas vá à noite, que é mais legal. Os restaurantes/ bares colocam várias mesas para fora e fica cheio de gente bonita).

Hmmm… A igreja que mais gostei de visitar foi a Basilica di San Clemente, que é uma igreja muito antiga, construída em cima de uma igreja ainda mais antiga, que, por sua vez, foi construída em cima de um templo pagão dos primórdios dos tempos!! E dá para visitar todos os 3 níveis!!!!!

Acho que isso é o principal. Ah, não fui à Galleria Borghese (museu de arte), nem ao Mercado de Trajano (este, me arrependo, deve ser muito interessante).

Fuja do EUR (bairro projetado por Mussolini para uma feira mundial), porque parece Brasília e não tem nada de especial, além de ser longe) e da Via Appia Antica (mais antiga estrada, que levava Roma até Brindisi desde a época de Roma Antiga. Cheia de catacumbas… parece interessante e histórico, mas é muito programa de índio).

Restaurantes – meu aniversário, a gente comemorou no Glass (para visitar o site, clique AQUI), que fica em Trastevere. A comida é italiana moderna, muuuuuito boa, a chef fala inglês perfeitamente e veio me dar os parabéns pessoalmente na mesa! Foi caro (EUR 200 para dois), mas valeu a pena. Trastevere tem opções bem mais baratas, para dias “normais”, não se preocupe.

Outra sugestão é o Balestrari (para visitar o site, clique AQUI), que fica no Campo de’ Fiori e tem a melhor bruschetta que já comi na vida! A pizza é super tradicional italiana (massa ultra fina, recheio escasso), muito boa para os padrões (a nossa é melhor).

Para comer a melhor carbonara (é minha massa favorita) de Roma vá ao Roscioli (para visitar o site, clique AQUI), perto do Campo de’ Fiori, também. Carinho… saiu EUR 40 por pessoa o almoço, sem vinho, mas com uma porção de prosciutti italiani.

Se ficar no mesmo B&B, pergunte à Fulvia (a dona do B&B) sobre o Da Bruno, que fica lá do lado – uma cantina supersimples lá perto. Comida muuuuuuuito boa, bem caseirinha! Melhor tortelini in brodo da minha vida.

E os gelati… bom, nosso favorito foi o do Alberto Pica (não encontrei site, mas é só dar google para encontrar), mas a cidade está povoada por gelaterias! A única ruim foi a Cremeria Monteforte, do lado do Pantheon.

É bem mais difícil comer bem em Roma que em Firenze, porque tem muito mais opção…

Dicas de itinerário/ timing – 4 dias são suficientes para Roma. Conte ¾ de 1 dia para Coliseu + Ruínas. Trastevere, você pode conhecer no ¼ que sobrar, porque é mais para você andar, tomar uma bebidinha e jantar (vá no final da tarde, lá pelas 18h). Conte ¾ do outro dia para Vaticano. À noite, você pode ir ao Campo de’ Fiori. Os outros pontos turísticos, você visita em 1 só dia e deixa o último dia para voltar aos lugares que mais gostou.”

 

Pantheon_Roma_Fernanda

6 opiniões sobre “Itália

  1. Ai, que chic, adorei minhas dicas postadas! Obrigada, Gi!
    Lindas as fotos da Juliana! Queria ter ido à Costa Amalfitana, mas fui numa época muito cheia de turistas e devia estar impossível quando fui… E definitivamente queria ter ido a Nápoli, mas ia ficar muito apertado o cronograma…
    Mais razões para voltar à Itália!!
    Quem sabe um dia…

  2. Ola descobri suas postagens e resolvi escrever, estou indo pra italia em outubro com uma amiga mas nao falo muito bem o ingles e nada de italiano, vale a pena contratar um guia?

  3. Pingback: Venezia – Dicas Úteis | Adooooro

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s