Santiago – Chile

Foto emprestada do site: http://forward.com/

Foto emprestada do site: http://forward.com/

A moeda é o Peso Chileno. Basta pegar o milhar e multiplicar por 2 para Dólar ou por 4 para Real (aproximadamente).

O metrô de Santiago é muito bom e barato. Clique AQUI para saber mais.

Passeios

. Patio BellaVista
Local aberto com vários restaurantes, bares e lojas. A noite é bem badalado. Bom para passear, comer ou apenas lanchar.
Fica na Calle Constitución. Fica próximo à estação de metrô Baquedano.

. Funicular (bondinho) – Cerro San Cristobal
Na mesma região que o Pátio Bellavista. Fica no final da Calle Pio IX, paralela a Calle Constitución.
O tíquete custa 1.900 pesos (ida e volta). Do alto você tem uma visão de toda Santiago. No topo há o santuário de La Inmaculada Concepción.

. Concha y Toro
Pode agendar um horário no site ou então ir direto ao local. Para saber mais, clique AQUI.
No local há um restaurante com um pátio onde se pode ficar beliscando e tomando vinho antes ou depois dos passeios. Também há uma loja que vende vinhos e outros utensílios.
No restaurante há um formulário que da 15% de desconto nos vinhos da loja.

Existem dois tours:
Marques: Você conhece a história da vinícola, depois faz uma degustação de dois vinhos e ao final de mais quatro com uma tábua de queijos, juntamente com um sommelier. Custa 17.000 Pesos. Você leva a tabua e uma taça.
Normal: Visita a casa, tem umas palestras, visita a adega, bebe um vinho branco e um tinto e leva a taça para casa. Custa 8.000 Pesos Chilenos.

Indo de metrô: Vá até a estação TOBALABA, pegue o Metrô sentido “Plaza de Puente Alto” e desce na ultima estação, é a linha Azul, lá pegue um táxi. Vai dar no máximo 2.500 pesos para te levar na Concha y Toro. Na volta pode solicitar que a moça da recepção peça um táxi ou esperar um táxi que vá deixar alguém.

Av. Isidora de Goyenechea e El Bosque Norte próximo da Av. Vitacura
Uma região com ótimos restaurantes de carnes, massas, peixes, etc.
Pasta & Basta, Ruby Tuesday, Don Carlos, Mr. Jack (hamburgueria), etc.

Compras

Vale a pena ir nas lojas: Ripley, Falabela, Paris, Casa&Ideias, Zara, etc. Estão em todos os shoppings e também nas ruas.

Costanera Center
Muito grande e possui ótimas lojas. Duas quadras da Av. Isidora de Goyenechea.
Fica bem ao lado da Gran Torre Santiago que está em construção. Será a maior torre da América do Sul.
Para saber mais sobre a torre, clique AQUI.

Parque Arauco Mall
Dizem que é o melhor de Santiago.

Centro de Artesanato Pueblo Los Dominicos
Fica próximo à estação de metrô Los Dominicos, na linha vermelha. Cruzar a praça e já estará na entrada.
Muitas lojas de artesanato, roupas e joias em Lápis Lazúli e outras pedras do Chile.

Outlet
Tem alguns. Clique AQUI para saber mais.

Vinhos
Vale a pena comprar. Vinhos que no Brasil custam cerca de R$ 100,00, em Santiago pagará uns R$ 40,00.
Até onde sei, pode embarcar levando duas garrafas de vinho na bagagem de mão. Além disso, pode comprar mais 6 no FreeShop de saída do Chile.

Ski
Empresa Ski Total: é uma empesa que aluga o equipamento, a roupa e leva e traz no mesmo dia.
Estação Colorado: é mais simples, porém é a primeira estação a ter neve.
Vale Nevado: é mais chique, porém mais caro, e abre depois, pois lá demora um pouco mais a ter neve.
Dica, vá com uma calça e agasalho de moletom, coloque a roupa impermeável que eles alugam por cima. Leve filtro solar, pois apesar da neve o sol é muito forte, bate na neve branca e reflete fazendo queimar duas vezes. Óculos de Sol e alugar o óculos para esquiar, pois o sol é intenso.

E boa viagem!!!!

Venezia – Itália

Olá!

Hoje vou falar sobre Venezia, uma cidade muito romântica e acolhedora.
É uma comuna italiana da região do Vêneto, província de Venezia.
A comuna de Venezia se estende pelas ilhas de Murano, Burano e outras na lagoa de Venezia.
A cidade foi formada em um arquipélogo na laguna de Venezia, no mar Adriático.
É classificada como patrimônio da humanidade pela Unesco.

Canal Grande

Canal Grande

Você não pode deixar de passar por Venezia e não passear de gôndola pelos canais.
Vale a pena escolher o passeio mais longo, que custará em torno de $ 100,00 Euros.

P1000071

Outro passeio que você deve fazer é pegar um táxi aquático e ir até as ilhas Murano e Burano.
Em Murano tem várias fábricas demonstrando como se faz esculturas com o vidro de Murano.

Murano

Murano

A Basílica di San Marco é linda, e caso não queira enfrentar uma longa fila para entrar, pode entrar pela entrada de quem vai para rezar, só que nesta opção você deixará de conhecer grande parte da Igreja.
Esta Basílica fica na Piazza San Marco, que é bem grande e com vários restaurantes em volta.

Basilica di San Marco

Basilica di San Marco

Vale a pena sair da parte turística da cidade e caminhar até a parte residencial, que é pacata e modesta.

P1000093

Em volta do Canal Grande tem restaurantes deliciosos.
E tanto em torno deste canal com em cima de suas pontes tem lojas que você poderá encontrar as famosas máscaras de Venezia e lembranças da cidade.

P1000227

Recomendo ficar em torno de 3 dias em Venezia.
O hotel que eu fiquei e recomendo é o Hotel Canaletto. Para saber mais, clique AQUI.

Venezia

Venezia

Aproveite!

Abraço, Gi

Padova – Itália

Olá!

Hoje vou falar sobre Padova, que é a capital da província de Padova, região de Vêneto.

O ponto mais famosa desta cidade é a Basilica de San Antônio de Padova, conhecida lá por Il Santo.
San Antônio está sepultado lá e geralmente as pessoas ficam com a mão em uma das pedras de seu sepulcro e rezam.
Você também pode deixar um bilhete (na entrada da Igreja) solicitando que San Antônio arrume um namorado/marido para você ou para quem você pedir.

Igreja San Antonio de Padova

Igreja San Antonio de Padova

Pertinho tem a Basílica de Santa Giustina (padroeira da cidade) e na sua frente fica a maior praça da Europa, Prato della Valle, conhecida simplesmente como Il Prato.

Para se locomover em Padova é necessário você estar de carro ou então pegar um ônibus.

Il Prato

Il Prato

Há com certeza muito mais a se conhecer nesta cidade, mas eu só passei meio dia e foi o que pude conhecer.
Eu recomendo ficar de meio dia a 1 dia inteiro em Padova.

Abraço, Gi

Verona – Itália

Olá!

Hoje vou falar sobre Verona, que é uma comuna italiana da região de Vêneto, província de Verona.

Com certeza o ponto turístico de Verona mais famoso é a casa de Giulietta! E vale a visita!
Você pode (tem que pagar) entrar na casa e subir até o balcão do quarto dela.
Diz a lenda que se você tocar no peito direito da estátua da Giulietta (que fica no pátio na frente da casa), dá sorte no amor. Não custa tentar!
Mas não vá achando que verá a casa igual à do filme “Cartas para Julieta” pois não há cartas nas paredes as quais são todas pichadas, e as cartas devem ser depositadas em um baú correio que fica dentro da casa.

Casa de Giulietta

Casa de Giulietta

Mas nesta cidade há muito mais a se visitar:

– Centro Histórico de Verona (Patrimônio Mundial da UNESCO)
– Arena de Verona (anfiteatro romano)
– Catedral Gótica de Verona
– Basílica de San Zeno
– Palazzo del Consiglio
– Castel Vecchio (Castelo Velho)
– Ponte Scaligero
– Piazza dei Signori
– Portal Borsari
– Estátua de Dante Alighieri
– Castelo San Pietro
– Torre dei Lamberti

Estátua de Giulietta

Estátua de Giulietta

Recomendo ficar ao menos 1 dia inteiro nesta cidade. Se puder ficar 2 dias, seria ótimo!

Abraço, Gi

Milano – Itália

Oie!

Hoje vou falar sobre Milano, que é a capital da região da Lombardia. A região metropolitana de Milano é a maior e mais populosa da Itália.

Esta cidade é um pouco diferente das outras que falei, pois nela você pode circular de carro. Apesar de não ser necessário, pois nos pontos turísticos você consegue ir a pé, e caso precise, pode usar o metrô ou ônibus.

Milano é conhecida como a capital do design e é famosa por suas casas e lojas de moda.

Os dois pontos turísticos mais famosos de Milano são: o Duomo de Milano e a Galleria Vittorio Emanuele. Ambos ficam na Piazza Duomo.
São lindos!
No piso do Ottagono da Galleria Vittorio Emanuele (bem ao centro da galeria), diz a tradição que rodar em si mesmo com o calcanhar direito sobre as genitais do touro (retratado no mosaico dentro do brasão da cidade de Turim), dá sorte. Não custa tentar!

Galleria Vittorio Emanuele e Duomo

Galleria Vittorio Emanuele e Duomo

Para quem gosta de moda tem que ir ao Quadrilátero D’Oro, que é formado pelas ruas: Via Montenapoleone, Via Sant’andrea, Via Della Spiga, Via Borgospesso. Tem lojas lindas!
Outras rua gostosa para se passear é a Via Torino, onde tem lojas mais acessíveis para você fazer compra.

Quadrilátero D'Oro

Quadrilátero D’Oro

Outro ponto que você não pode deixar de conhecer é o Castello Sforzesco, mas o melhor é o Parco Simpione, que é o parque atrás do castelo.
Lá dá para você passear, tomar um lanche, e até sentar (ou deitar) em um dos bancos e curtir o momento! hehe

Parco Simpione

Parco Simpione

Na Igreja Santa Maria delle Grazie é onde fica o quadro “Última Ceia” de Da Vinci.
Esta Igreja é um dos patrimônios mundiais, listada pela Unesco.

Igreja Santa Maria delle Grazie

Igreja Santa Maria delle Grazie

Faça as malas e bom passeio!

Abraço, Gi

Torino – Itália

Olá!

Hoje vou falar sobre Torino, que é a capital e maior cidade da região do Piemonte.

Foi nesta cidade que eu e meu marido melhor comemos! Tem restaurantes deliciosos!
Você não pode deixar de comer a pizza Baldini no Ristorante il Bergamoto. Di-vi-na!
E tem que ir ao Eataly, que é um mercado com comidas e vinhos deliciosos, e tem um espaço com restaurantes e sorveteria. Deixe para almoçar lá!

Pizza Baldini

Pizza Baldini

Outra parada obrigatória é a Catedral de Torino para ver o Santo Sudário (La Sindone), que é o tecido que cobriu o corpo de Jesus após a sua morte.

Santo Sudário

Santo Sudário

Em Torino tem várias praças deliciosas para passear e tirar fotos, a que eu mais gostei foi a Piazza Castello.

Por Torino passo o Rio Pó (Fiume Pó), onde te renderá fotos lindas!

Rio Pó

Rio Pó

Outro ponto turístico é a Antonelliana (La mole), de onde você poderá ter a vista de toda a cidade.

E não pode deixar de ir até a Venaria Reale, que será uma passeio delicioso!

Eataly

Eataly

O hotel que eu fiquei e recomendo é o Artuá e Solferino. Para saber mais sobre o hotel, clique AQUI.

Abraço, Gi

Génova – Itália

Olá!

Génova é da região da Ligúria, província de Génova, e é um importante porto marítimo da Itália.

Eu acabei passando por Génova por acaso, pois ficava no meio do caminho para o próximo destino, mas antes eu soubesse que é uma cidade tão bonita e com tantas coisas para se visitar.

Porto de Génova

Porto de Génova

Logo que você chega tem o porto, com vários barcos e atrações para você se entreter. Tem até um barco dos piratas para você passear e tirar várias fotos!

Vários restaurantes deliciosos!

E a parte da cidade é super moderna, mas eu acabei conhecendo pouco.

Recomendo você ficar de 1 dia e meio a 2 dias nesta cidade.

Porto de Génova

Porto de Génova

Seus principais pontos turísticos são:

– Porto de Gênova
– Via Garibaldi
– Piazza de Ferrari
– Ópera de Gênova
– Palácio Ducal
– Casa em que nasceu Cristovão Colombo
– Palácio Vermelho
– Palácio Real
– Catedral de São Lourenço
– Castelo de Albertis
– Aquário de Gênova
– Torre da Lanterna
– Museu de Arte Oriental

Abraço, Gi

Génova

Génova

Toscana – Itália

Olá!

Já fiz um post (AQUI) para falar sobre Firenze, capital da Toscana.
Agora falarei das demais cidades da Toscana que visitei e algumas dicas sobre elas.
E atenção, se você estiver de carro não esqueça que na maioria dos centros históricos você terá que deixar o carro do lado de fora e ir a pé.

PISA

O mais famoso em Pisa é a sua torre, aquela que está pendente!
E é basicamente isso que você irá visitar lá.
Ela fica em um complexo, murado, com mais 3 pontos turísticos: Catedral, Batistério e Camposanto.
Este complexo fica aberto aproximadamente das 8:30h às 20h, mas vale checar antes de ir.

Torre di Pisa

Torre di Pisa

MONTALCINO

Uns dos melhores vinhos do mundo são feitos em Montalcino: o brunello,o barolo e o rosso di Montalcino.
E é indo para esta cidade que você verá uma das paisagens mais bobitas da Itália, típica daquelas mostradas em movela.
Eu recomendo visitar a vinícola CASTELlO BANFI, é linda e lá você poderá degustar diversos tipos de vinho (não esqueça de fazer sua reserva) e comprá-los, além de apreciar a maravilhosa paisagem!
Vale a pensa ir para lá de manhã e se puder dormir lá, recomendo ficar no Castello Banffi.
Para colocar no GPS, o endereço é: Castello di Poggio alle Mura – 53024. E o telefone: 39-0577-87700.

Entrada do Castello Banfi

Entrada do Castello Banfi

SIENA

Siena é conhecida pelo seu patrimônio artístico e unidade estilística no seu centro histórico, classificado pela Unesco como patrimônio da humanidade.
Recomendo visitar a Cattedrale di Siena (que fica na Piazza del Duomo) é linda e muito diferente, e Piazza del Campo (onde acontece o Palio e tem a prefeitura).
Você levará meio dia para visitar toda a cidade.

Torre di Siena

Torre di Siena

LUCCA

A cidade é pequena e você também levará aproximadamente meio dia para conhecê-la.
Dicas para você visitar:
– Percorrer a Passegiata della Muro.
– Piazza Anfiteatro (casinhas sobre o antigo anfiteatro).
– Catedral di San Martino (fica na Piazza Antelminelli).

Casinhas em cima do antigo Anfiteatro

Casinhas em cima do antigo Anfiteatro

SAN GIMIGNANO

Nesta cidade cidade você também levará aproximadamente meio dia para visitá-la.
A vista do lado de fora do muro, para a cidade é linda e vale várias fotos! Para dar a volta no muro é uma boa caminhada.
Tem restaurantes gostosos na praça principal para você almoçar.

Vista do lado de fora do muro de San Gimignano

Vista do lado de fora do muro de San Gimignano

Aproveite bastante!

Abraço, Gi

Firenze – Itália

Oie!

Hoje vou falar sobre Firenze, que é a capital e maior cidade da província da Toscana, Itália.
Eu recomendo ficar nesta cidade de 5 a 6 dias: 3 para conhecê-la e mais 2 ou 3 para ir visitar outras cidades da Toscana (farei um post a parte para dar dicas de quais cidades visitar!).

Porcellino

Porcellino

Recomendo ficar no centro histórico, pois aí fará tudo a pé, até porque não pode entrar de carro (lembre-se das dicas que dei AQUI.).
O hotel que eu fiquei foi o Hotel Maxim, e recomendo.
Antes de ir, mande um e-mail ao hotel perguntando como faz para chegar com o carro lá e mande para eles a placa do carro que você está, pois como não pode entrar de carro no centro histórico, eles solicitam à prefeitura uma autorização. Entretanto, você só poderá ir de carro até o hotel, onde um motorista pegará o seu carro e irá estacioná-lo. E depois o pegará na hora de sair da cidade. Não poderá usá-lo para ficar andando pelo centro histórico.

Giardino di Boboli

Giardino di Boboli

Vamos às dicas do que visitar:
– Mercato Centrale (é um mercado com muitas tendas vendendo tudo o que você possa imaginar de couro, artesanatos locais e várias idéias de presentes e recordações! Fica na Via dell’Ariento.)
– Porcellino (É uma fonte em bronze de um javali, e pela sua lenda tem que colocar uma moeda na boca do javali, com a intenção de deixá-la cair através da grade de base para boa sorte, e quem esfregar o focinho do javali garante um retorno a Firenze. Fica ao lado do Mercato Centrale.)
– Duomo (fica na Piazza dell Duomo. Aberto de segunda, quarta e sexta das 10h-17h, de sábado das 10-16:45h, e de domingo das 13:30h-16:45h.)
– Galleria dell’Academia (onde está o Davi de Michelangelo. Aberta de terça à domingo das 8:15h-18:50h. Chegue cedo pois a fila para entrar é grande.)
– Piazza della Signoria (maior museu a céu aberto.)
– Ponte Vecchio (Sobre o Rio Arno. Vá até a Piazzale Michelangelo para curtir a vista!)
– Loja Bartolucci (é uma loja onde tudo é feito de madeira, vale a pena a visita. Há várias destas lojas na Itália, mas em Firenze ela fica na Via Condotta, 12. Para saber mais sobre a loja, clique AQUI.)
– Palazzo Pitti
– Giardino de Boboli (para ir até ele terá que entrar pelo Palazzo Pitti. É lindo e tem uma vista fantástica de Firenze. Você levará um bom tempo para conhecê-lo pois ele é realmente bem grande.)
– Loja da Lindt (primeira vez que visitei uma loja só da Lindt. Amei e fiz a festa!)

Ponte Vechio

Ponte Vechio

Firenze é bella! Cogliete l’opportunità di prendere molte foto!

Abraço, Gi

Davi di Michelangelo

Davi di Michelangelo

Assissi – Itália

Olá!

Hoje vou falar sobre Assissi, que fica na região da Umbria, província de Perúgiam na Itália.

Assissi

Assissi

É famosa por ter sido a cidade de nascimento de São Francisco de Assis (San Francesco de Assissi), onde fundou a Ordem dos Franciscanos, e também de Santa Clara de Assis (Santa Chiara de Assissi), fundadora da Ordem das Clarissas.

A Basílica Papale de São Francsico é classificada pela Unesco como patrimônio mundial.

Basilica Papale de San Francesco de Assissi

Basilica Papale de San Francesco de Assissi

Eu recomendo ficar nesta cidade por meio dia, e o ideal é ir para lá após o almoço (ou então almoçar lá) e ficar até o por-do Sol. Ele se põe atrás da Basílica de São Francisco, e a vista é linda!

A cidade é pequena, e os 2 principais pontos a serem visitados são:
– Basilica Papale di San Francesco
– Basilica di Santa Chiara

Basilica di Santa Chiara

Basilica di Santa Chiara

Caso resolva ir para almoçar, tem uma pracinha, no caminho entre a Basilica de São Francisco e a Basilica de Santa Clara, onde tem alguns restaurantes.

Nesta cidade você não poderá entrar de carro, então terá que deixá-lo no estacionamento na entrada da cidade, e seguir a pé.

Vale a pena visitar Assissi pois é um cidade encantadora!

Abraço, Gi

Vaticano – Itália

Olá!

O Vaticano é a sede da Igreja Católica e seu território consiste de um enclave murado dentro da cidade de Roma.
Apesar de muitos acharem que o Vaticano faz parte da Itália, isto é um erro, pois o Vaticano é um país independente, sendo o menor país do mundo, tanto por população, quanto por área.
O Vaticano é governado pelo Bispo de Roma (o Papa), e é a guarda Suíça que faz a segurança deste país.

Basilica di San Pietro

Basilica di San Pietro

Eu recomendo você separar quase 1 dia inteiro para visita-lo.

Pietá (de Michelangelo)

Pietá (de Michelangelo)

De manhã vá visitar o museu do Vaticano, no final deste passeio você irá conhecer a Capela Sistina.
Apesar de eu ter achado a Capela bem pequena, vale muito a pena conhece-la, pois seu teto foi pintado por Michelangelo.
Ao sair do museu, repare nas escadas, pois apesar de parecerem ser uma só, são duas! Foram feitas por Bernini.
Não se esqueça de comprar com antecedência o ingresso para o museu (válido para conhecer o museu e a Capela), pois caso contrário, irá pegar filas gingantescas para conseguir comprar o seu ingresso. Para comprar, clique AQUI.

Interior da Igreja de San Pietro

Interior da Igreja de San Pietro

Após, vá conhecer a Basilica di San Pietro, a Igreja mais linda que eu já conheci! Ela é imponente e linda!
Para entrar nela você não precisa pagar. Mas passará por detectores de metais e policiais que revistarão a sua bolsa. Evite ir de shorts muito curto e blusas muito cavadas.
Em seu interior, você irá poder usufruir de sua beleza e de suas inúmeras obras de artes, como por exemplo a Pietá (de Michelangelo), o baldaquino (de Bernini), entre inúmeras outras. O que me encantou foi em uma das pias com água benta, os anjinhos em cima dela, que você vendo de longe parecem pequenos, mas quando chega perto são maiores que você. Muito fofos!
Caso, a partir da metade da Igreja, tenha cancelas com policiais não deixando você passar, vá até um dos policiais e diga que você vai à missa, que ele deixará você passar. Isso porque quando tem missa, que é rezada ao fundo da Igreja, os policiais não deixam as pessoas que só estão fazendo turismo, ir até o final da Igreja.

Interior da Igreja de San Pietro

Interior da Igreja de San Pietro

Na frente da Basilica tem a praça de San Pietro, que sempre vale muitas fotos!

E se você quiser assistir à benção do Papa, não esqueça de conferir os dias no site do Vaticano.

Papa Benedeto XVI

Papa Benedeto XVI

Abraço, Gi

Passar

Roma – Itália

Roma é a capital da Itália e é conhecida por ser a cidade eterna devido à toda a sua história milenar. Se você pensar que o Brasil tem pouco mais de 500 anos, Roma tem mais de 2.000 anos (foi fundada em aproximadamente 753 a.C.).

Eu recomendo você ficar em Roma ao menos 5 dias, pois tem muitaaaa coisa para conhecer! Acho que se você ficar 1 mês, ainda terá muita coisa a conhecer…

Vamos lá às dicas dos lugares que você não pode deixar de conhecer:

Igrejas
– Basílica de San Giovanni in Laterano: esta é a mãe de todas as Igrejas do mundo, é onde fica o Bispo de Roma. Ela fica localizada na praça que leva o seu nome. Ao lado da Basílica tem a Scala Santa (Escada Santa), que foi usada por Jesus para entrar na sala do enterrogatório (parte dela foi transportada para lá).
– Basílica di Santa Maria Maggiore: é também conhecida como Basílica de Nossa Senhora das Neves.
– Igreja San Pietro in Vincoli: lá fica o Moisés de Michelangelo. A Igreja é pequena, mas vale a visita pois o Moisés é maravilhoso!
– Igreja Santa Maria in Cosmedin: fica na Via della Grecca, 4. Em seu pórtico você poderá apreciar a Bocca de la Veritá.

P1010715 Bocca de la Veritá

Monumentos
– Fontana di Trevi: é a maior construção de fontes barrocas da Itália. Fica localizada na rione Trevi.
– Coliseu: é um anfiteatro construido na Roma Antiga. Fica ao lado do Forum Romano.
– Forum Romano: ruínas de várias construções públicas de grande importância cultural.
– Phanteon: quando foi construido era utilizado como um templo dos deuses de panteão, e hoje é utilizado com um templo cristão.

P1010602 Coliseu

Praças
– Piazza Navona: conhecida por seus monumentos em toda a praça.
– Piazza di Spagna
– Piazza del Popolo
– Piazza del Campidoglio
– Piazza della Rotonda
– Piazza Venezia: onde você poderá ver o monumento à Victorio Emanuele, mais conhecido como “bolo de noiva”.

P1010484 Fontana di Trevi

Passeios
– Galleria Colonna
– Via del Corso: vai da Piazza Venezia até a Piazza del Popolo.
– Via Condoti: passeio gostoso com lojas chiques.
– Via dei Foro Imperiale
– Termas de Caracala: são um exemplo das garndes terma imperiais.
– Circo Máximo: espaço aberto onde tinha uma arena e local de entretenimento na Roma Antiga.
– Castel Sant’Angelo
– Ponte Fabricio: menor ponte e mais antiga de Roma. Fica sobre o Rio Tibre.

P1010536 Moisés de Michelangelo

Restaurantes
– Vale ir ao Trastevere, é um bairro ao oeste do rio. Sugiro comer tagliatelle a matriciana!
– A outra dica é que muitos restaurantes, das 18h às 21h, você paga a bebida e o aperitivo é de graça.

Forum Imperial

Forum Imperial

Outlet
– Castel Romano: para ir a este outlet você pode pegar um ônibus especial ao lado do Termini. Chegue cedo para comprar a sua passagem pois sempre tem muita gente querendo ir. O ticket você pode ocmprar em alguma das lojas na frente do Termini.
Para saber mais sobre o outlet clique AQUI.

Monumento a Vitorio Emanuele

Monumento a Vitorio Emanuele

Dica de Hotel
– O Hotel que eu fiquei é o Hotel Contilia. Eu recomendo!
Ele é super bem localizado, ao lado da estação Termini, que é uma estação de ônibus e metrô.
Para saber mais sobre o hotel, clique AQUI.

Castel Sant'Angelo

Castel Sant’Angelo

Locomoção
– Tem ônibus turísticos que saem a cada 20 minutos da Piazza del Cinquecento, em frente à estação Termini.
Entretanto, eu recomendo andar o máximo que você puder a pé, pois assim conhecerá muito mais lugares!

Phanteon

Phanteon

Roma é realmente fascinante!!!!

Abraço, Gi

Itália – Dicas Úteis

Olá!

Já fiz um post sobre a Itália (AQUI), mas nada melhor do que conhecer pessoalmente o lugar, para você poder dar muitoooo mais dicas!
A partir de hoje vou fazer um sequência de posts sobre a Itália, com dicas de todas as cidades que conheci!

Bem, mas antes de começar a falar sobre as cidades, quero dar algumas dicas para ajudá-lo a programar sua viagem.

POR ONDE COMEÇAR A SUA VIAGEM
Sugiro começar visitando Roma, e depois ir, de carro, para o norte da Itália.
A viagem que eu fiz levou 26 dias e não deu tempo de conhecer as cidades que ficam ao sul de Roma.
Não adianta você querer passar correndo pela Itália, ou apenas por Roma e dizer que você conheceu a Itália. Cada estado tem sua peculiaridade e sua história, e um é completamente diferente do outro.

ALUGUEL DE CARRO
Recomendo você fazer sua viagem pela Itália de carro, pois você pode ir parando em cidades menores que ficam no meio do seu caminho, e que se você estiver de trem não terá oportunidade de conhecê-las!
Não esqueça de fazer a reserva do carro com antecedência. Eu usei a Avis e não tive nenhum problema.
Ou melhor, quando fiz a reserva do carro eu quis fazer também a reserva do GPS, mas me disseram que não seria necessário reservaá-lo. Quando fomos pegar o carro na Itália não tinha GPS disponivel e acabamos comprando um mapa. Claro que não deu certo e não recomendo, pois o mapa funciona legal na estrada, mas dentro das cidades você acaba perdendo muito tempo para chegar aos lugares que quer.
Se você tiver a oportunidade, leve um GPS já aqui do Brasil com o mapa da Itália instalado, pois sai mais barato você comprar um GSP, do que pagar o seu aluguel.
Eu acabei comprando um lá, e foi uma das minhas melhores compras!

ESTRADAS NA ITÁLIA
Preste muito atenção nesta dica, para não acontecer com você o que aconteceu comigo!
O pedágio, você paga por kilômetro rodado. Então, você passará em um pedágio logo que entrar em uma estrada, e neste pegágio não terá que pagar nada, mas sim, apenas pegar um ticket que servirá para marcar o quanto você andou na estrada. E quando for sair da estrada para entrar em alguma cidade, você passará por outro pedágio, que aí sim você mostrará o seu ticket inicial e pagará.
Mas preste atenção em qual guichê do pedágio irá passar (em cima de cada guichê tem uma placa com o desenho de qual tipo de pagamento que aquele guichê aceita), pois tem 3 tipos: 1) para quem já tem o cartão (funciona mais ou menos como o “sem parar” do Brasil, mas é um cartão; 2) o outro é uma máquina que te atenderá, você clica no botão e sai o ticket, ou se for a hora de pagar você insere o ticket e ela te mostrará quanto você terá que pagar; e 3) uma pessoa te atenderá (a qual eu te aconselho ir se você nunca tiver pegado a estrada e tiver alguma dúvida de como pagar).
O meu problema foi que eu acabei pegando um guichê para quem já tem o cartão (nosso “sem parar”) e nestes guichês não te sai ticket algum. Quando eu fui sair da estrada eu não tinha ticket para colocar no guichê, e logo, a máquina não sabia quanto eu tinha percorrido e não me mostrou valor algum para pagar. Eu tive que apertar o botão de ajuda e uma “voz” da máquina apareceu para meu ajudar. Tentei explicar que não havia recebido o ticket ao entrar na estrada, mas nestes casos você paga um valor cheio, como se fosse uma multa, e que é bem caro, de 60 a 100 Euros.

O CARRO NOS CENTROS HISTÓRICOS
Esta é outra dica muito importante! Nem em todos os centros históricos das cidades você pode entrar com carro.
Então, antes de ir procure saber se aquela cidade você pode passar além do muro com o carro, ou se terá que deixá-lo antes do muro, e seguir a pé. Sim, pois a maioria das cidades italianas são fechadas por muro. Na verdade antigamente eram, e hoje são seus centros históricos, e para fora do muro é para onde as cidades cresceram.
Se informe antes de ir pois em algumas cidades tem placa na entrada dizendo se é proibida a entrada de carro não autorizado, mas em outras cidades não tem.
E se você entrar em centros não autorizados, você levará uma multa e bem alta! Todas as entradas são filmadas, então não terá como eles não te multarem. E se você tiver com um carro alugado, a empresa debitará no seu cartão de crédito o valor daquela multa.

HOTÉIS
Recomendo você pagar um pouquinho mais no hotel e ficar num lugar melhor localizado, pois nas cidades você não usará carro, mas sim, fará a maior parte do passeio a pé. Então é melhor já estar perto dos lugares que irá querer conhecer!
Outra dica é que quando for fazer a sua reserva do hotel, veja se o hotel tem estacionamento, pois nem todos tem. Se ele tiver, mande um e-mail ao hotel fazendo a reserva de uma vaga, pois como a maioria dos hotéis tem estacionamentos pequenos, não tem vaga de carro para todos os quartos, então se você não fizer a reserva da sua vaga, corre o risco de chegar no hotel e não conseguir deixar o seu carro lá.

Espero tê-lo ajudado a tirar algumas dúvidas. E caso queira saber alguma outra coisa é só me escrever!

Abraço, Gi

1333872044789

Árvore de Natal Comestível

Arvore de Natal comestivel
 
Ingredientes:
4 porções de Pão Sírio (PITA BREAD) Médio
16 Palitos Salgados Stiksy (Elma Chip) cortados ao meio
queijo cheddar em pasta (como requeijão)
requeijão
tempero batido (salsinha, cebola e sal)
¼ xícara de tomate picadinho
 
Modo de Preparar:
Corte cada pão em 4 fatias. Coloque metade de um palitinho Stiksy no centro da borda para formar a árvore de Natal.
No meio do pão coloque o queijo cheddar para colar os dois pedaços.
Misture o requeijão com o tempero batido, para ficar verde, e enfeite a árvore, como se fosse uma guirlanda.
Por cima, enfeite com o tomate picadinho (como se fossem as bolas).
 
 

Arvore comestivel_by Gi

Francesinha ou Inglesinha?

Há quem diga que são francesinhas coloridas e há quem diga que são inglesinhas, mas a verdade é que, independente de como se chamam, essas unhas ficam um charme e da para você usar e abusar da imaginação!

Estou adoooorando que voltou a moda abusar da diversão dos esmaltes nas unhas!!!!

Abaixo segue meus modelitos de esmaltes que usei nas últimas semanas! Todos feitos pela Milaide, do Studio Jana!

E como vocês sabem estilo náutico está super na moda também. Vejam que fofa a unha que uma amiga (Oi Ka!) está usando essa semana!

Fica super fofo também se você fizer um coração (na filha única) ou colar um adesivo de âncora!

Alfajor

A tradição diz que em Medina Sidonia, que foi a capital do mundo árabe na Espanha, nasceu o alfajor, originalmente “al-hasú”, que em árabe significa “recheio”. Esta delicia hoje universal, se preparava com amêndoas, avelãs, mel, canela e outros ingredientes típicos dos doces da pastelaria de Andaluz, incluindo coentro e cravo, que lhe davam seu sabor característico.

Com a conquista da América vieram os alfajores, como reserva nutritiva para as grandes viagens. Eles adquiriram sua própria personalidade aqui, de acordo com os hábitos, gostos gastronômicos e diversas matérias-primas disponíveis. Apesar de que, o formato original foi mantido: duas ou mais bolachas, unidas por um tipo de geléia.

Na Argentina, os alfajores da Córdoba são famosos por seus recheios de fruta e por ser levemente coberto por açúcar.

Os de Santa Fé tem várias camadas de biscoito crocante, unidos por doce de leite. Os de Santiago del Estero, também tem várias camadas, mas coberto com merengue e decorados com bolinhas coloridas. Algumas vezes são decorados com pedaços de doce de “turrón”.

Os clássicos alfajores de maisena, de Bueno Aires, nos seduz com seu recheio de doce de leite suave e cobertura de coco ralado. Mas se há um símbolo do alfajor na Argentina, é o da costa Atlântica: bolo amanteigado, recheado com doce de leite, coberto com açúcar ou chocolate.

Eu adooooro alfajor! 🙂

Brigadeiro de Caipirinha

 Ingredientes:
395 g leite condensado
20 g de manteiga com sal
50 ml de cachaça envelhecida
Açúcar cristal (tem um açucar especial que lembra o gelo trituradinho da caipirinha) com raspas de limão para decorar

Modo de Preparo:
Coloque o leite condensado em uma panela no fogo. Adicione a manteiga. Mexa sempre em fogo baixo até dar o ponto (desgrudar da panela). Tirar do fogo e adicionar a cachaça. Voltar ao fogo e dar o ponto novamente. Colocar o preparo em uma placa untada e esperar esfriar. Untar as mãos com manteiga. Bolear. Passar no açúcar cristal com raspas de limão para decorar.

Buenos Aires – Argentina

Como sempre minha Mamis me ajudando com os posts do blog. Desta vez ela escreveu sobre uma deliciosa viagem que fez com meu Papis e minha irmã para Buenos Aires (Argentina)! 

By Cecilia Z.: “A cidade de Buenos Aires foi fundada pela primeira vez com o nome de Nuestra Señora del Buen Ayre. A cidade foi abandonada, arrasada pelos índios e refundada com o nome de Ciudad de la Santísima Trinidad y Puerto de Nuestra Señora del Buen Ayre. “Buen Aire” é a castelanização do nome da  Virgem de Bonária, no Brasil conhecida como Virgem da Candelária, que os navegantes veneravam.

Hoje é chamada simplesmente Buenos Aires.

A cidade se encontra às margens do Rio da Prata e também é banhada pelo Riachuelo, o que lhe dá paisagens lindíssimas.

A zona norte da cidade é rica e próspera, com vários hospitais, serviços e grande densidade populacional. Mas o norte contrasta com a desprovida zona sul, próxima do poluído Riachuelo (um dos rios mais contaminados do mundo), formada por bairros mais humildes. Nesta zona sul, se fortalece a maioria das favelas, nas que o uso do solo é indiscriminado e se interrompe a trama urbana.

Cada bairro tem sua própria história e características populacionais que lhe imprimem cor, estilo e costumes únicos e são um reflexo da variedade cultural que atua na cidade.

Chegamos pelo Aeroporto Ministro Pistarini, que fica na cidade de Ezeiza, na  grande Buenos Aires, sendo assim, ele mais é conhecido como AEROPORTO DE EZEIZA. O free shop da entrada é um pouco pequeno, mas o free shop da saída é muito bom. Um dos maiores do mundo. Vale a pena comprar lá!

Buenos Aires tem 4/5 milhões de habitantes e 48 bairros para se visitar. Sendo  uma cidade muita arborizada  é um convite para passear a pé. Se precisar de transporte, existe um sistema de transporte com várias opções: metrô, ônibus e trens. Os táxis são um meio de transporte muito comum, por serem seguros e mais baratos que outras cidades. A única cautela que se deve ter é com os motoristas de táxi, que costumam dar no troco, notas falsas de peso, principalmente a de 20 pesos.

É uma cidade baixa, isto é, no centro os prédios são antigos e bonitos, mais parecendo uma cidade européia. Muitos parques e praças. Em todos os lados ouve-se o tango, e os alfajores e dulce de leche estão em cada esquina para podermos saborear, pois tem bons cafés em cada quarteirão, onde se senta e se envolve pela paisagem e limpeza da cidade e a cortesia do povo argentino.

A moeda oficial é o “Peso”. Há moedas de 1 peso, e 1, 5, 10, 25, 50 cantavos e notas de 2, 5, 10, 20, 50 e 100 pesos.

A língua oficial é o castelhano e os brasileiros costumam se virar com o “portunhol”.

Em Buenos Aires os restaurantes são ótimos. Os pescados são deliciosos e as carnes maravilhosas. Quanto às carnes, não deixe de experimentar o bife de chorizo, que nada mais é que um contra-filet cortado bem alto e grelhado. Imperdível, principalmente se acompanhado de um belo vinho nacional.

GORJETAS: As gorjetas são como no Brasil, à base de 10%, mas não vem na conta, devendo ser paga à parte e em dinheiro.

TANGO: por toda a Buenos Aires, ouve-se o tango, que se pode conhecer na tangueria ou na em qualquer esquina de um bairro. Vê-se casais dançando em cada canto, mas cuidado, pois eles se oferecem para se fotografar junto a você, e depois cobra por ter posado.

Um espetáculo de tango que recomendo é o SENOR TANGO. Um antigo armazém de secos e molhados construído no bairro de BARRACAS, tradicional bairro de trabalhadores e fábricas, e se tornou a casa de tango mais tradicional de Buenos Aires. O palco giratório central tem 9 mde diâmetro, e após saboroso jantar (servido para 1.500 pessoas) pode-se apreciar os bailarinos a dançar o tango.

Passeios:

No centro temos a CASA ROSADA, que é o Palácio do Governo , com uma grande praça na frente, e na outra extremidade da praça temos o Legislativo. Na Casa Rosada, onde Evita acenava para seus súditos, existe um museu aonde há  mostra dos objetos pessoais dos presidentes.

Também oposto à Casa Rosada temos a Catedral, aonde está enterrado San Martin, e as 12 colunas da frente representam os 12 apóstolos.

Na Praça de Mayo o povo argentino aproveita para fazer seus protestos.

No centro, para boas compras, temos a Calle Florida (um calçadão cheio de lojas e muambeiros), e na esquina com Av. Cordoba, situam-se as Galerias Pacifico, sendo considerado um dos mais belos edifícios de Buenos Aires, e um bom mall para compras, pois lá se encontram as marcas mais requintadas da cidade.  No subsolo há uma grande  praça de alimentação, com várias redes de fast-food internacionais e locais. Mas vc irá constatar que fazer uma refeição em shopping, em Buenos Aires, é insosso e caro, ainda mais com tantos restaurantes charmosos pela cidade. Mas a visita deve ser feita para ver o melhor estilo parisiense de compras.

Vale a pena conferir a Galeria Pacífico. Muito bonita!

Dos bairros principais podemos citar:

BELGRAMO: O nome é em homenagem a um militar que criou a bandeira Argentina. Inicialmente foi um assentamento que ficava ao norte de Buenos Aires, depois se tornou um bairro com lindos casarões e hoje está repleto de edifícios e um grande corredor comercial, que é a Av. Cabildo.

RECOLETA:

Os freis recoletos no início do século XVII construíram seu convento e igreja nesta área aonde só havia terrenos baldios e chácaras. Como era longe do centro eles acharam que seria o ideal para os retiros espirituais. Conforme a cidade foi crescendo, vieram arquitetos europeus e construíram lindos casarões e luxuosos palacetes no estilo Frances. Construiram também lindos parques, que fazem de Recoleta o bairro mais chic de Buenos Aires. Seu comércio é sofisticado, com finas boutiques.

Recoleta tem, além do famoso cemitério, galerias de arte. Nos finais de semana tem uma grande feira de artesanato na praça em frente à igreja.

A Basilia Del Pilar foi construída pelos monges recoletos e é uma das mais antigas em estilo barroco, em Buenos Aires. Nesta igreja, Giulia e eu pudemos presenciar um lindo casamento, sendo que as músicas foram tocadas por um conjunto de gaitas de fole. Muito original!

Lá pudemos saborear a gostosa e característica empanada, o bife de chorizo e a gaseosa Paso de lós Toros de Pomelo no restaurante El Sanjuanino, que faz as mais gostosas empanadas de Buenos Aires.

PALERMO:

Era uma fazenda que foi dividida e hoje é o maior bairro de Buenos Aires. Quando a área começou a se desenvolver, o arquiteto e paisagista francês Charles Thays projetou os jardins nos moldes do Bois de Boulogne em Paris e o Hyde Park em Londres.

Em Palermo existem muitos parques, zoológico, o jardim japonês, clubes, etc.

Em Palermo também podemos apreciar a FLORALIS GENERICA que é uma escultura de alumínio formando uma flor gigante que conforme a hora do dia  vai se abrindo. Abre-se às 7:30h e fecha às 20:30h (exceto feriados dias 25/5, 21/9, 24 e 31/12 fica aberta direto). Doada por seu autor Eduardo Catalano, pesa 18 toneladas. É a 1ª escultura em movimento controlada por um sistema hidráulico e células fotoelétricas.

LA BOCA

Este bairro chama Boca por estar na “boca” do Richuelo. Bairro do sul banhado pelo mal cheiroso rio Riachuelo. Mesmo assim é um dos cartões postais de Buenos Aires. Quando em meados do sec. XIX o movimento dos navios aumentou, um bairro marítimo começou a surgir em volta do porto. Os marinheiros construíram as casas de madeira e chapa, sobre palafitas, para enfrentar as enchentes do rio Riachuelo. Usavam as tábuas dos barcos e restos de tintas para colorir as paredes.

Os ricos ali construíram grandes casas, mas com a gripe amarela  os ricos foram para o norte, e estas casas passaram a ser habitadas por várias famílias, formando grandes cortiços. Depois chegaram os artistas, músicos, pintores e boêmios que gostaram do lugar e lá ficaram.

É neste bairro que fica o estádio de futebol Boca Juniors. No estádio é o único lugar do mundo aonde a propaganda da Coca-Cola não é em vermelho, mas em preto e branco, porque vermelho é a cor do rival River Plate.

CAMINITO:

Inaugurado em 1959, é um museu ao ar livre. É uma rua das casas coloridas do bairro La Boca.

SAN TELMO:

É um dos bairros mais antigos e tradicionais de Buenos Aires, com muitos bares, cafés, casas de tango, restaurantes e antiquários curiosos. Aos domingos existe uma feirinha de antiguidade e artesanato na Praça Dorrego e é conhecida como Feira de SanTelmo, aonde se encontram antiguidades, bugigangas e raridades. A feira vai seguindo pela rua até chegar à Plaza de Mayo (tem este nome pois em 25 de Maio houve a revolução que findou com a independência da Argentina).

Mesmo que nada queira comprar, vale a pena o passeio. Em cada barraca os donos se fantasiam para serem fotografados.

Em cada esquina pode-se observar um casal dando um show de tango.

PUERTO MADERO:

O Antigo cais do rio da Plata estava abandonado e até que foi revitalizado pelo arquiteto Eduardo Madero, que projetou um espaço muito charmoso, copiando o porto de Londres. De lá se tem uma vista a prédios super modernos e veleiros ancorados. A arquitetura é arrojada e moderna. É uma zona cara com bons restaurantes.

  

À noite, os 47 restaurantes lá existentes ficam repletos. Fomos no La Parolaccia Del Mare e saboreamos uma bela paella valenziana enquanto Giulia comia sua massa.”

Itália

Recebi dicas da Itália de uma das minhas melhores amigas (Oi Ju!) e de uma amiga e blogueira (Oi Fe! – Para visitar seu blog, clique AQUI.). Estou compartilhando com vocês pois tem bastante dicas de quais cidades visitar na Itália e o que conhecer em cada uma dela!

By Juliana O.: “Particularmente, dos lugares que fui, acho que Nápoles vale muito a pena. Tem o mar de um lado e o monte Vesúvio do outro. Vale a pena ir a Pizzaria Michelle, ela aparece no filme Comer, Rezar e Amar, achei a pizza uma das melhores que já comi e mais tradicional. Nápoles é a cidade aonde inventaram a pizza. Lá tem um museu que é o Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, um dos mais antigos da Europa.
 
Positano é charmosa. Na costa amalfitana fiquei hospedada lá e dá pra conhecer as outras cidades de carro. Restaurante que fui lá e gostei: Chez Black.
A vista do jardim em Ravello é a mais linda. vale a pena conhecer Ravello num dia claro.

Ravello_Juliana

 
No caminho de lá para Roma, parei em Pompéia, que é a cidade que foi soterrada pelas lavas do vulcão Vesúvio. Para conhecer a história é interessante. Tem muita coisa sobre isso no museu de Nápoles.
 
Em Roma, é melhor comprar o ingresso para o Museu do Vaticano pela internet com antecedência. Assim, evita fila. Já está incluso a visita à Capela Sistina na compra desse ingresso. Para comprar o ingresso, clique AQUI. Para a Basílica de São Pedro não tem como comprar antecipadamente. Minha dica é ir bem cedo ou na hora do almoço à basílica. Eu fui na hora do almoço, meio dia, e como a maioria estava almoçando, não peguei mais que 30 minutos de fila (é um tempo bom, considerando que as pessoas ficam horas na fila). Roma não vale a pena ficar com o carro. Dá pra fazer tudo de metrô.

Pompeia_Juliana

 
A região da Toscana é linda, dependendo de quantos dias vai ficar (vale a pena ficar o máximo de dias nessa região para conhecer as cidades ao redor). Visitei Pisa (somente para ver a torre, dá pra comprar o ingresso pela Internet se for entre 45 – 15 dias de antecedência se não me engano. vale a pena comprar antes, pois tem hora marcada pra subir na torre). Para comprar o ingresso, clique AQUI. Eu não fui, mas se tiver tempo, visite Lucca, fica bem perto de Pisa, 13km, e é a cidade que conta a história do Pinóquio. dá pra visitar Pisa e Lucca no mesmo dia.
Siena todos recomendam muito, a igreja Duomo de lá é linda, uma das mais lindas que vi, mas tem cidades que gostei mais!
Um restaurante que vale a pena lá: Osteria Le Logge – Via del Porrione, 33 tel 0577 48013.
 

San Gimignano_Juliana

 

San Gimignano vale muito a pena, uma cidade medieval muito charmosa e tem o melhor gelatto do mundo na praça central.
Em Florença, tem que ir na Galleria degli Uffizi, é um museu maravilhoso, que vale muito a pena. Dá pra comprar com antecedência pela internet. Para a Academia Gallery também. Para comprar o ingresso clique AQUI. 

 
Se for para Milão, tenho dica de dois restaurantes, Bice e Solferino, muito bons mesmo. É uma cidade bem mais urbana e depois de ter passado por essas cidades anteriores, vai ver que paisagem e astral são outros.
 
Na dúvida, quando for almoçar ou jantar, melhor escolher as tratorias e osterias que são melhores que os ristorantes em qualidade e preço.”

By Fernanda I.: “Veneza: Hotel – fiquei no Stella Alpina @ EUR  133,24 a noite. Para visitar o site, clique AQUI. O bom é que fica do lado da estação de trem e facilita muito para quem está de malas relativamente grandes. É velho, bem simples, faz barulhos de encanamento durante a noite e não tem elevador (3 lances de escada), mas a cama é confortável, quarto é espaçoso e suficientemente limpo.

Pontos/ passeios turísticos – Basílica de São Marcos (dá para reservar o horário de entrada (clique AQUI), mas eu não entrei porque não sabia desse esquema e estava uma fila homérica), Palazzo Ducale (tour não vale a pena: comprido, chato, inglês macarrônico) e Ponte dos Suspiros (só dá para ver por fora e estava em reforma quando fui – só vi um enorme anúncio da L’oreal…), Campanário (tem fôlego para subir trocentos milhões degraus??), Praça São Marcos (onde fica a Basílica, o Palazzo e o Campanário), Ponte Rialto (só tem lojas de souvernir), Mercado de Frutas e Peixes (acho que tem todos os dias, tem que ir de manhã, antes das 10h, eu recomendaria), Museu Peggy Guggenheim, Galleria dell’Accademia, Ca’ D’oro (não fui em nenhum museu), andar de gôndola (não andei – é muito caro e tem que pagar a parte para o cara cantar. E é meio mico, porque as pessoas ficam tirando foto de vc. Hahahaha), Teatro La Fenice (casa de ópera de Veneza – fui porque AMO visitar casas de ópera, mas, se não gostar, não vale a pena, nem é das mais bonitas).

Restaurantes – Há um que eu recomendo fortemente, o Riviera (para visitar o site, clique AQUI). Fica numa região mais tranquila de Veneza, meio que num calçadão, com as mesinhas para fora. A comida é absurdamente boa, a iluminação é toda com velas… super romântico. Não saiu barato (EUR 50 por pessoa), mas vale a pena para um jantar especial.

Praticamente na frente do mercado de frutas também tem um lugar (bem pequenininho) que também recomendo fortemente, o Al Mercá. Servem mini sanduíches de frios italianos com vinhos em taça. Ótimo e barato (EUR 2 cada mini sanduíche). Do lado, tem uma loja de queijos italianos… bom para comprar umas coisinhas para fazer piquenique depois.

Coma o sarde in saor (sardinha agridoce, que eles colocam em pão, tipo tapa), coisas com nero di seppia (tinta de lula, deixa tudo super preto e com um sabor diferente), tiramisù (que nasceu lá) e muitos frutos do mar.

Dicas de itinerário/ timing – 2 dias são mais do que suficiente para conhecer Veneza bem. No primeiro dia, você já vai logo cedo à Piazza San Marco, conhece os pontos turísticos de lá, anda pela região de San Marco, vai até a Ponte di Rialto e pela região de Dorsoduro. Assiste o pôr do sol da Punta della Dogana e janta no Riviera. No segundo dia, você vai ao Mercado de Frutas, anda mais um pouco por San Polo e Santa Croce e resolve se, à tarde, quer andar mais pela cidade ou se quer pegar um vaporetto e ir até Burano, que dizem que é fofa (casas coloridinhas), volta no final da tarde, para ver o sol se pondo sobre a ilha… LINDO!

 

Veneza_Fernanda

 

Florença/Toscana: Hotel – fiquei no B&B Bel Duomo @ EUR 79 a noite. Para visitar o site, clique AQUI. Prós: donos super fofos (ele é toscano, ela é inglesa, têm várias dicas boas de restaurantes na região), localização soberba (a passos do Duomo), quarto espaçoso (mas eu fiquei no maior que tinha, porque fiquei 6 noites). Cons: donos só ficam lá na recepção pela manhã, te dão a chave das portas e “tchau e bença”, não tem elevador (2º andar), cama meio em formato de U, banheiro super apertado e sem boxe (fica todo molhado depois do banho), sinos do Duomo te acordam pela manhã (pode haver um certo charme nisso) e o café da manhã é pago a parte e num café fora do hotel (eles têm um convênio com este café, e o legal é que você pode toma-lo vendo o Duomo. Além disso, eles têm um donuts superbom).

Em março, deve estar tranquilo, mas se for em uma época mais quente, faça questão do ar condicionado. Florença fica num vale, tem pouco vento e é muito quente.

Pontos/ passeios turísticos – Duomo, Campanário, Batistério e sua porta feita por Ghiberti (fica tudo junto), Piazza della Repubblica (quando fomos, no domingo, teve uma feirinha com produtores da região, vendendo seus produtos diretamente. Fantástico!), Piazza della Signoria (várias esculturas e aonde ficava o Davi), Galleria degli Uffizi (para ver O Nascimento de Vênus e Primavera, entre outros – reserve antecipadamente suas entradas pelo site oficial), Galleria dell’Accademia (para ver Davi – vale muito a pena – reserve antecipadamente suas entradas pelo site oficial), Ponte Vecchio (só tem joalherias), Piazzale Michelangelo (melhor pôr do sol EVER), Mercato Centrale (ótimo lugar para comprar coisas para um piquenique e comprar alguns azeites para trazer de volta para casa).

Restaurantes – O que mais gostamos dos que fomos foi o Trattoria San Lorenzo (para visitar o site, clique AQUI), há passos do B&B. Apesar de ficar numa região turística, a comida é muito boa, o atendimento é muito bom e o preço é super decente (aprox. EUR 40 jantar para dois, sem bebidas alcoólicas que estava quente demais para tomar vinho). Tudo que comemos estava muito bom, mas o tiramisù não fará diferença na sua vida.

O prato mais típico da região é a bistecca alla fiorentina, mas, se eu bem te conheço, melhor não arriscar – a carne vem mugindo de tão mal passada.

Lá em Firenze, eu descobri que AMO trufa. Se ainda não tiver experimentado, faça questão de comer algum prato com coisas trufadas.

Tome os gelati do Vestri (só sabores de chocolate), do Grom e do RivaReno (ambas são cadeias e também têm lojas em Roma, Milão etc., mas o preço aqui é menor e a cidade é perfeita para sair pelas ruas com um cono na mão).

Compras – o Mercato del Porcellino tem souvernirs e muitas opções de artigos em couro. Há lindas bolsas estilo carteiro, meio rústicas, feitas na Toscana mesmo. A região é bastante conhecida por essas coisas de couro bovino e pela carne. O preço médio de uma bolsa média é EUR 100. Não é barato, mas está até escrito “fatto in Firenze”!

Dicas de itinerário/ timing – Se você pular os museus, dá para conhecer a cidade inteira em 1 dia. Sério. É partir do Duomo e seguir pela via dei Calzaioli até a Piazza della Signoria. No meio do caminho, está o Mercato del Porcellino e a Piazza della Repubblica. Da Piazza della Signoria, você passa embaixo da Galleria degli Uffizi e passa pela Ponte Vecchio, continua andando até chegar na Piazzale Michelangelo. Pronto, conheceu Firenze!!

Mas é recomendável ficar mais 1 dia, para andar com mais calma pelas ruas.

No terceiro dia, alugue um carro e vá para Siena passando pelas cidadelas Castellina in Chianti, Fonterutoli etc.. Em Siena, veja a Piazza del Campo e passeie pelas ruas, que têm bandeiras dos bairros da cidade. É fofa.

Ou vá para Lucca, de trem mesmo e alugue uma bike para andar na Passeggiata delle Mura (o muro da cidade velha, que, de tão largo, virou um parque). A cidade é muito bonita, super charmosa.

 

Pizzaria Della Signoria_Toscana_Fernanda

 

Roma: Hotel – fiquei no B&B Casa Romana, top rated no TripAdvisor (para visitar o site, clique AQUI) @ EUR 90 a noite (uma pechincha). Pros: a dona é uma das escritoras da Time Out Roma!!! Ela deixa uma “apostila” com várias, várias dicas da cidade; quarto e banheiro superbonitinhos e limpos, com decoração de bom gosto. Cons: a localização não é das melhores (entenda: é central, fica perto da estação terminal de trem, metrô e terminal de ônibus, com as 2 linhas mais turísticas da cidade, mas, exatamente por causa disso, não é um Jardins… está mais para uma Liberdade/ São Bento. De qualquer forma, a gente foi e voltou todos os dias de ônibus e andou à noite pela vizinhança, sem problema nenhum).

Pontos/ passeios turísticos – Fontana di Trevi (AMEI, fui 3x, em horários diferentes do dia, mas faça questão de ver à noite), Trastevere (bairro bem boêmio, cheio de barzinhos e restaurantes, bem Vila Madalena, favorito meu e do Meza), Monumento a Vittorio Emanuelle (que não dá para você perder, porque é uma coisa descomunal de grande), Campidoglio (que dizem que tem uma bela visão de Roma, mas não achei nada demais), Pantheon, Ponte Fabricio (mais antiga de Roma, só para pedestres, tem seu charme), Coliseu (compre seu ingresso antecipadamente pelo site oficial), Roma Antiga – Foro Romano, Cole Palatino (mesmo ingresso do Coliseu) – para as ruínas (Coliseu e todo resto), não vá de tour guiado organizado pelos próprios lugares, porque não vale a pena (pelo menos, a nossa guia era um horror), mas recomendo fortemente que contrate um guia terceiro especializado porque faz toda a diferença entender bem o que significa cada coisa.

Vaticano (compre seu ingresso antecipadamente para o Museu do Vaticano pelo site oficial. Neste caso, vale a pena o tour guiado, porque a guia entendia bem do que falava. O tour passava pelo Museu, Capela Sistina e acabava na Basílica de São Pedro).

Hmmm… que mais… Piazza Navona (a embaixada do Brasil fica aqui, num prédio super imponente.. até parece que a gente é rico), Piazza di Spagna e Spanish Steps (a vizinhança é chic benhê, com todas as lojas mais top), Campo de’ Fiori (tem mercado/ feira durante a manhã, mas vá à noite, que é mais legal. Os restaurantes/ bares colocam várias mesas para fora e fica cheio de gente bonita).

Hmmm… A igreja que mais gostei de visitar foi a Basilica di San Clemente, que é uma igreja muito antiga, construída em cima de uma igreja ainda mais antiga, que, por sua vez, foi construída em cima de um templo pagão dos primórdios dos tempos!! E dá para visitar todos os 3 níveis!!!!!

Acho que isso é o principal. Ah, não fui à Galleria Borghese (museu de arte), nem ao Mercado de Trajano (este, me arrependo, deve ser muito interessante).

Fuja do EUR (bairro projetado por Mussolini para uma feira mundial), porque parece Brasília e não tem nada de especial, além de ser longe) e da Via Appia Antica (mais antiga estrada, que levava Roma até Brindisi desde a época de Roma Antiga. Cheia de catacumbas… parece interessante e histórico, mas é muito programa de índio).

Restaurantes – meu aniversário, a gente comemorou no Glass (para visitar o site, clique AQUI), que fica em Trastevere. A comida é italiana moderna, muuuuuito boa, a chef fala inglês perfeitamente e veio me dar os parabéns pessoalmente na mesa! Foi caro (EUR 200 para dois), mas valeu a pena. Trastevere tem opções bem mais baratas, para dias “normais”, não se preocupe.

Outra sugestão é o Balestrari (para visitar o site, clique AQUI), que fica no Campo de’ Fiori e tem a melhor bruschetta que já comi na vida! A pizza é super tradicional italiana (massa ultra fina, recheio escasso), muito boa para os padrões (a nossa é melhor).

Para comer a melhor carbonara (é minha massa favorita) de Roma vá ao Roscioli (para visitar o site, clique AQUI), perto do Campo de’ Fiori, também. Carinho… saiu EUR 40 por pessoa o almoço, sem vinho, mas com uma porção de prosciutti italiani.

Se ficar no mesmo B&B, pergunte à Fulvia (a dona do B&B) sobre o Da Bruno, que fica lá do lado – uma cantina supersimples lá perto. Comida muuuuuuuito boa, bem caseirinha! Melhor tortelini in brodo da minha vida.

E os gelati… bom, nosso favorito foi o do Alberto Pica (não encontrei site, mas é só dar google para encontrar), mas a cidade está povoada por gelaterias! A única ruim foi a Cremeria Monteforte, do lado do Pantheon.

É bem mais difícil comer bem em Roma que em Firenze, porque tem muito mais opção…

Dicas de itinerário/ timing – 4 dias são suficientes para Roma. Conte ¾ de 1 dia para Coliseu + Ruínas. Trastevere, você pode conhecer no ¼ que sobrar, porque é mais para você andar, tomar uma bebidinha e jantar (vá no final da tarde, lá pelas 18h). Conte ¾ do outro dia para Vaticano. À noite, você pode ir ao Campo de’ Fiori. Os outros pontos turísticos, você visita em 1 só dia e deixa o último dia para voltar aos lugares que mais gostou.”

 

Pantheon_Roma_Fernanda